UM CONSELHO PARA MIM

Por Howard Smith*

Encarar de frente os meus medos e aprender maneiras de reduzir esses medos ao mínimo, de forma que eu possa administrá-los da melhor forma possível,  pode ser açgo revigorante e até mesmo bastante motivador. Eu sei que eu posso me tornar um bom pianista e tocar com confiança para um público.

Mas, para tanto, preciso, primeiramente, reconhecer que há dois tipos de medo atuando na hora da apresentação em público:

  • Medo Irracional: aquele sem nenhuma razão lógica. Se eu estou bem preparado, com a música na ponta dos dedos, eu deveria ser capaz de sentar-me ao piano sem medo.
  • Medo Racional: o que se justifica pela falta de suficiente estudo e prática. Será que foi por mera sorte que toquei tão bonito quando estava em casa? Quando chegou a hora da apresentação, a peça toda desmoronou.

Sabendo disso, conclui-se que a combinação de uma prática assídua com a construção de resiliência sob estresse emocional pode me ajudar a reduzir o medo de tocar em público.

Para começar, devo sempre me lembrar de que a base de tudo é a preparação técnica. Rigidez ou movimentos em excesso, além de uma técnica hesitante, tornam os dedos totalmente disfuncionais na hora de performance:  mente e músculos ficam incapazes de qualquer coordenação entre si!

Também acredito que é preciso desenvolver uma narrativa de sucesso e, consequentemente, evitar a todo custo uma história de fracasso. Uma série de performances ruins pode gerar um circulo vicioso de negatividade que deve ser evitado a todo custo.

Considere a possibilidade de usar técnicas de Programação Neurolinguística e Terapia Cognitivo-Comportamental para transformar as mensagens negativas e a autocrítica tóxica em mensagens positivas e incentivadoras que acelerem a sua autoconfiança.

Isso exposto, vamos ao que interessa!

Adote a Correta Postura Mental

Aceite quem você é. O quão bem você toca piano não determina quem você é. Lembre-se sempre disso. Ninguém é perfeito. Cometer alguns erros é normal. A maior parte dos ouvintes não irá reparar e muitos que estão lá, não foram até lá para te julgar, mas sim para te aplaudir.

Aceite que algum grau de nervosismo é normal e até mesmo saudável. É algo natural que afeta praticamente todo mundo. Se você não ficar nervoso e for muito seguro de si, é porque algo está errado. Por outro lado, adrenalina correndo no corpo é bom mas é preciso que seja bem canalizada.

Para criar uma história de sucesso, procure estruturar uma série de apresentações de “baixo risco”. Comece se gravando em vídeo ou mesmo apenas com o áudio do seu celular. Quando estiver se gravando, tente imaginar que se trata de uma verdadeira apresentação para uma audiência imaginária. Continue, sem parar, mesmo que cometa erros. Tente manter seu tempo.

Depois, vá para o próximo nível: toque para um amigo em quem você confie ou para um colega de uma de suas aulas de música. Depois aumente paulatinamente o número de amigos que irão te assistir. E assim por diante.

A cada vez que você tocar, tente reparar o que você achou difícil. Reflita sobre o que você poderá fazer para mudar o que precisa ser mudado.

A Escolha da Música

Uma apresentação bem sucedida de qualquer música é um grande estímulo para o aumento da autoconfiança e aumenta a possibilidade de você estar no estado emocional perfeito para a sua própria apresentação.

Escolha a música que você irá tocar para o seu público com cuidado. Escolha aquela peça “fácil pra você”, na qual você se sente totalmente confortável. Fácil de falar, mas difícil de fazer. Sabemos. Toque-a em uma velocidade confortável, na qual você se sinta mais confortável. Nem sempre isso significa tocar sua música muito devagar.

Tocar uma música pouco conhecida também pode ser uma boa ideia. Músicas muito conhecidas podem atrair altas expectativas, tanto da audiência quanto suas, o que só faz aumentar seu medo de estar no foco das atenções e de sofrer o escrutínio do público.

                                                                                                                                            Prepare-se para a Apresentação

Esteja bem preparado. Estude. Estude. Estude. Elimine tudo o que possa dar errado. Estude a peça até nada mais poder dar errado. 

Dica: Alguns dias antes da sua apresentação, identifique o compasso (um único compasso) que você considera o mais difícil. A experiencia nos diz que este simples ato de escolher um único desafio (um compasso) e resolvê-lo é um gatilho poderoso para acender um sentimento de confiança que supera qualquer outra coisa que possa ser dita e feita.

Toque para outras pessoas sempre que puder. Por exemplo, ache um piano em algum espaço público. Toque quando seus amigos aparecerem, independentemente de eles pedirem para você tocar ou não. Conte para o seu público improvisado do que se trata realmente: prática de apresentação. Fazendo isso você vai sentir qual é o grau do seu nervosismo na hora de se apresentar.  Essas “performances” revelam se você estudou a peça suficientemente ou não.

Exercite a sua respiração, medite. Relaxe. Procure meios de redirecionar seu pensamento quando eles se tornarem negativos.  Mantenha uma rotina saudável. Faça exercícios. Coma bem.

No Dia Anterior

 Não tome estimulantes como café, coca-cola e afins. Durma bem e bastante. Estude, mas não demais. Faça uma caminhada, pule bastante, sacuda os músculos, faça alongamento, ou seja lá o que for melhor para você relaxar ao máximo os nervos. Perto da hora da apresentação, faça isso mais uma vez. 

Na Hora da Apresentação

Se possível, dê uma esquentada no piano, faça algumas escalas. Ao menos, tente sentir o piano antes da apresentação. Toque algumas notas e acordes para sentir o teclado. Não se esqueça de testar os pedais!

Lembre-se de que você está preparado. Não fique pensando no que pode dar errado.  Imagine um “lugar seguro” para você tocar. Entre nesse espaço. Sinta-se bem centrado. Adote uma aura de autoconfiança. Visualize seu sucesso. Olhe de cima pra baixo para o seu medo.

Pense na audiência como seus amigos. Conecte-se com eles, sorria, faça contato visual. Transfira o seu foco para a música, não pense em suas vulnerabilidades. Feche os olhos. Imagine o seu público curtindo a sua música.

Tenha como objetivo não apenas tocar corretamente mas passar emoções, transmitir o que a música te transmite, sinta e comunique para quem te ouve o que você está sentindo.

Quando você começar a tocar, ataque as primeiras notas com segurança. O sucesso dos primeiros compassos  é essencial para continuar a tocar com confiança até o fim da peça. 

RESPIRE. Não segure a respiração. Relaxe os músculos faciais. 

Toque com paixão! Toque curtindo, apreciando cada nota! Toque como se você estivesse dando um presente para o público. Não pense no que pode dar errado nem se critique na hora. Perfeição não é o mesmo que beleza. Mais do que isso, deixe seu ego em casa! Enquanto estiver tocando, se ouça, não analise. Focar demais nos seus dedos e nos movimentos da sua mão não vai ajudar nessa hora.  Passe com emoção a estória que a sua música conta e esqueça as tecnicalidades. Permita que a música flua através de você, imagine-se como um fio condutor, não como um controlador ou entregador de um pacote fechado.

Esteja no presente. Toque as teclas no momento. Não sofra por antecipação com os compassos difíceis e as passagens complicadas que irão aparecer. Evite pensamentos como “eu não devo errar lá naquele acorde” ou “não posso esbarrar naquela passagem no compasso 25”. Evite todo e qualquer pensamento negativo.

Dica: Imagine a música que você está tocando como uma fita cassete que inexoravelmente irá continuar rodando. Limpe sua mente de detalhes técnicos na apresentação.

Pense em sua mente e suas mãos como uma coisa só, não como máquinas separadas. Concentre-se. Não deixe pensamentos dispersos entrarem na sua cabeça. Abandone-os e volte a concentrar-se. Se você errar uma passagem, recupere-se como der e continue – com o mínimo de alarde. Continue em frente. Mantenha o tempo. Seja lá o que acontecer, tente não recomeçar. E…divirta-se!

Depois da Apresentação

Não fique remoendo o que aconteceu de errado durante a apresentação. Apenas aprenda com os erros cometidos. Ponto. Comece a pensar na sua próxima apresentação, imediatamente.

Algumas Anotações Extras

Minimize distrações. Encontre um ponto fixo à distância para você se focar nele. Foque no que lhe fizer se sentir confortável. Pode ser na sua partitura, no teclado, ou algo na parede além do piano.  Seja o que for e onde for, apenas se assegure de que esteja abaixo do nível dos seus olhos.

Seja específico. Ao se aproximar do piano, pense como você quer que a sua música soe. O quê, precisamente, você quer comunicar ao seu público?

Construa a imagem ideal na sua mente, de como você quer idealmente apresentar a sua peça. Diga a você que você vai tocar brilhantemente, arrasar, que você vai tocar com paixão e com a dinâmica clara e precisa. Pense em palavras positivas como dedos leves, acariciar as teclas, movimentos fluidos, acordes precisos, calmos, suaves, fáceis. Respire com o diafragma.

Evite respiração superficial, rápida, pulmonar. Medo de tocar em público cria tensão muscular. Enquanto estiver respirando pense em um grupo de músculos e expire relaxando-os.

*traduzido livremente do original inglês

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]